Desafios dos docentes da educação básica, no uso de tecnologias para as aulas à distância, frente à pandemia de Covid-19

Anne Caroline Cabral Rodrigues Cortez, Janaina Aparecida Pereira Paiva, Roberta Veloso Garcia, Eduardo Ferro

Resumo


O Vírus Sars-CoV-2 espalhou-se no mundo em 2020 obrigando o distanciamento social. Em meados do mês de março, as escolas do Brasil, por meio de decretos estabelecidos pelos governadores estaduais, suspenderam as aulas presenciais. As escolas se mobilizaram para dar continuidade ao ensino, implantando plataformas de ensino à distância. Os principais agentes deste processo, os professores, receberam capacitações para conseguirem realizar as suas aulas de forma remota, alguns se adaptaram bem as novas demandas tecnológicas, outros, porém, relataram muitas dificuldades com o uso das tecnologias. O presente trabalho apresenta uma pesquisa com 161 professores das redes públicas e privadas de diferentes estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais e Santa Catarina) para entender os principais desafios e motivações dos docentes no uso das tecnologias durante as aulas remotas. Resultando que, apesar dos desafios enfrentados, os professores procuram formas de alcançar as demandas das unidades de ensino em que atuam e cumprir com a sua docência.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Parecer CNE/CP nº 5/2020, aprovado em 28 de abril de 2020 - Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. MEC. 2020 . Acesso em: 30 mai. 2020, 17:28:10.

BRASIL. Portaria Nº 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. D.O.U 18/03/2020. . Acesso em: 30 mai. 2020, 19:50:20.

BARRETO, A. C. F. e ROCHA, D. S. “Covid 19 E Educação: Resistências, Desafios E (Im)Possibilidades”. Revista Encantar. 2020. Vol. 2, p. 01–11.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC. Apostila. 2020.

GERHARDT, T. E. e SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. Porto Alegre. 2009 Editora da UFRGS. p. 120

MOORE-ADAMS, B. L., JONES, W. M. e COHEN, J. “Learning to teach online: a systematic review of the literature on K-12 teacher preparation for teaching online”. Distance Education. 2016. Vol. 37, p. 333 -348.

MORAES, A. G. E. e BELLUZZO, W. “O diferencial de desempenho escolar entre escolas públicas e privadas no Brasil”. Nova Economia. 2014. Vol. 24, p. 409–430.

OLIVEIRA, T. F., LINS, V.L., SILVA, R. M., FONTOURA, L. V. “Qualidade de vida no trabalho: um estudo comparativo entre professores de escola pública e privada Quality of work life : A comparative study between public and”. PsicolArgumento. 2016, p. 104–119.

OMS - Organização Mundial da Saúde. Folha informativa – COVID-19. 18 Mai 2020 (doença causada pelo novo coronavírus). 2020. . Acesso em: 28 mai. 2020, 18:43:15.

SANTOS JUNIOR, V. e MONTEIRO, J. C. S. “Educação E Covid-19: As Tecnologias Digitais Mediando a Aprendizagem Em Tempos De Pandemia”. Revista Encantar. 2020. Vol. 2, p. 01–15.

SOUZA, F. M. e ARANHA, S. D. G. Interculturalidade, linguagens e formação de professores. Ensino e aprendizagem collection. Campina Grande. 2016. Vol. 2.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.