Análise dos instrumentos de avaliação da aprendizagem nos cursos superiores do Instituto Federal de São Paulo – Campus Araraquara

Marcel Pereira Santos, Paulo R. B. Pereira, Cintia A. S. Santos

Resumo


O presente artigo objetivou identificar e analisar os instrumentos de avaliação da aprendizagem aplicados nos cursos superiores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) – Campus Araraquara. O processo metodológico foi quali-quantitativo, realizando-se a análise dos instrumentos de avaliação coletados através do Sistema Unificado de Administração Pública (SUAP), plataforma que contém todas as informações acadêmicas da instituição. Através da análise foi possível identificar e analisar quais instrumentos de avaliação são mais utilizados. Concluiu-se que cada curso superior apresenta sua especificidade, porém, a avaliação tradicional (prova) ainda é o método mais utilizado para avaliação. Destacou-se que todos os cursos analisados utilizam mais de um instrumento de avaliação, objetivando com que o aluno possua mais de uma forma de demonstrar os conhecimentos e habilidades adquiridos no curso.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. M. F. P. M. A Avaliação Da Aprendizagem E Seus Desdobramentos. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 2, n. 2, abr. 1997. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/958/955. Acesso em: 15 out. 2019.

AMARO, S. Racismo, igualdade racial e políticas de ações afirmativas no Brasil. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015. 160 p.

BRASIL. Presidência da República. Decreto s/nº, de 18 de janeiro de 1999. Dispõe sobre a implantação do Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo - CEFET/SP. Brasília, DF, 19 jan. 1999. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 4.759, de 20 de agosto de 1965. Dispõe sobre a denominação e qualificação das Universidades e Escolas Técnicas. Brasília, DF, 24 ago. 1965. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, DF, 10 jan. 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm. Acesso em: 13 dez. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005. Institui o Programa Universidade para Todos - PROUNI, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no ensino superior; altera a Lei no 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências. Brasília, DF, 13 jan. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11096.htm. Acesso em: 17 dez. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 11.182, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Brasília, DF, 29 dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, DF, 29 ago. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 17 dez. 2018.

CAVALCANTE, L. P. F.; MELLO, M. A. Avaliação da aprendizagem no ensino de graduação em saúde: concepções, intencionalidades, reflexões. Avaliação: Campinas, Sorocaba, v. 20, n. 2, p. 423-442, jul. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772015000200423&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 out. 2019.

FONSECA, C. S. História do Ensino Industrial no Brasil. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DPEA, 1986a. v. 1, 284 p.

FONSECA, C. S. História do Ensino Industrial no Brasil. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DPEA, 1986b. v. 2

FONSECA, C. S. História do Ensino Industrial no Brasil. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DPEA, 1986c. v. 5, 319 p.

FONSECA, D. J. Políticas públicas e ações afirmativas. São Paulo: Selo Negro, 2009. 140 p.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 60 ed. São Paulo. Paz e Terra, 2019. p.144.

HERINGER, R. Ação afirmativa à brasileira: institucionalidade, sucessos e limites da inclusão de estudantes negros no ensino superior no Brasil (2001 – 2008). In: PAIVA, A. R. et al. (Org.). Entre dados e fatos: ação afirmativa nas universidades públicas brasileiras. Rio de Janeiro: PUC-Rio, Pallas Editora, 2010. 181 p.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO (IFSP). Conselho Superior. Plano de Desenvolvimento Institucional. São Paulo, 2008. Disponível em: . Acesso em: 11 março 2019.

OLIVEIRA, K. L.; SANTOS, A. A. A. Avaliação da aprendizagem na universidade. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 9, n. 1, p. 37-46, jun. 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572005000100004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 out. 2019.

PENHA-LOPES, V. Universitários cotistas: de aluno a bacharéis. In: ZONINSEIN, J.; FERES JÚNIOR, J. (Org.). Ação afirmativa no ensino superior brasileiro. Belo Horizonte: Editora UFMG, Rio de Janeiro: IUPERJ, 2008. 350 p.

SANTOS, J. P. F. Ações afirmativas e igualdade racial: A contribuição do direito na construção de Brasil diverso. São Paulo: Edições Loyola, 2005. 99 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.