EXPEDIÇÃO TRIPULADA A MARTE: HÁBITOS DE PESQUISA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

Angélica Mello Mendonça Freitas, Araceli Felícia Fernandes Pereira Alves, Josias de Paula Oliveira, Rouseman Vaz Britto, Tiara Reis Silva Maciel, Vânia Cristina Nogueira Mira Fernandes, Sandra Giacomin Schneider

Resumo


A geração chamada “digital”, aposta na tecnologia como uma de suas principais ferramentas para adquirir conhecimento. No entanto, questiona-se é se esses hábitos de pesquisa têm sido eficientes. Assim, o presente trabalho teve como objetivo levantar as fontes de informações utilizadas pelos alunos do 2° ano do ensino médio de uma escola no município de Guaratinguetá para a pesquisa sobre o tema “Expedição Tripulada a Marte”. Um programa de atividades foi desenvolvido em equipe, durante as etapas que ocorreram entre abril e junho de 2019. No programa de atividades foram empregados recursos tecnológicos para aplicação de questionário, visitação de caráter investigativo e implementação da metodologia ativa Team-Based Learning (TBL). Com esse estudo, foi possível traçar um panorama comparativo entre as informações que os alunos apresentaram utilizando fontes de informações por eles selecionadas em recursos tecnológicos à livre escolha e os conhecimentos adquiridos por meio do programa de atividades orientado. Percebeu-se que os hábitos de pesquisa e as fontes selecionadas pelos alunos foram alterados em função do programa e da participação do professor-pesquisador como mediador. Além disso, identificou-se maior engajamento e interesse em relação a um novo tema e o aumento do uso de fontes mais cofiáveis com relação às informações obtidas durante o programa.


Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOLLELA, V. R.; SENGER M. H.; TOURINHO F. S. V.; AMARAL E. Aprendizagem baseada em equipes: da teoria à pratica. In: SIMPÓSIO TÓPICOS FUNDAMENTAIS PARA FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOCENTE PARA PROFESSORES DOS CURSOS DA ÁREA DE SAÚDE, Ribeirão Preto, 2014, p. 293-300.

FAVA, R. Educação 3.0. São Paulo: Saraiva, 2014.

FRADE, I. C. A. S.; FERREIRA, M. H. M. Alfabetização e Letramento em Contextos Digitais: ressupostos de avaliação aplicados ao software HagáQuê. In: RIBEIRO, Ana E. et al. (orgs.). Linguagem, tecnologia e educação. São Paulo: Editora Petrópolis, 2010.

LIKERT, R. A technique for the measurement of atitudes. Archives of Psychology, v. 22, n. 140, 1932, p. 1-55.

OLIVEIRA, F. B. Tecnologia da informação e comunicação: a busca de uma visão ampla e estruturada. São Paulo: Pearson, 2007.

LOWENKRON, L. M. Subjetividade e Relacionamentos na Era da Internet. In: OLIVEIRA, F. B. Tecnologia da informação e comunicação: a busca de uma visão ampla e estruturada. São Paulo: Pearson, 2007.

SOUZA, I. R. L.; MAGALHÃES, H. P. Intersecções entre culturas midiáticas e cibercultura e game cultura. Revista Cultura Midiática, ano 1, n. 1, 2008, p.1-12.

TRIPP, D. Pesquisa ação: uma introdução metodológica. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.31, n. 3, 2005, p.443-466.

ZANINELLI, T. B.; TOMAEL, M. I.; JOVANOVICH, E. M. S.; LOURENÇO, R. F.; REIS, E. V. Os nativos digitais e as bibliotecas universitárias: um paralelo entre o novo perfil do usuário e os produtos e serviços informacionais. Revista Informação & Informação, Londrina, v. 21, n. 3, 2016, p. 149-184.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.