QUALIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE MANEJO CONVENCIONAL E ORGÂNICO NA PROPRIEDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR

Cesar Augusto Feliciano, Antônio Wagner Pereira Lopes, Maria Claudia da Silva, Manoel Baltasar Baptista da Costa, Vera Lucia Silveira Botta Ferrante

Resumo


Neste trabalho, foram avaliados os componentes químicos, físicos e microbiológicos do solo. Essas informações podem contribuir para o desenvolvimento de sistemas de manejo mais sustentáveis, avaliando o Latossolo Vermelho Escuro submetidos a distintos sistemas orgânico e convencionais. O trabalho foi realizado no município de Araraquara – SP assentamento Bela Vista do Chibarro. Para análise foram coletadas amostras nas áreas orgânicas e convencionais. Para caracterização dos indicadores foram retiradas 40 amostras de profundidade 0-20 cm, as mesmas foram encaminhas para o laboratório, para realização das análises de interesse. Os resultados obtidos permitem verificar as diferenças entre as propriedades do manejo convencional e orgânico. Uma das propriedades apresenta horta orgânica e convencional ocasionando um problema de dependência espacial, a mesma faz com que as variáveis físicas, químicas e biológicas e o entorno seja um fator de influência na fertilidade do solo, após a exclusão deste lote foi observado que para ter uma produção orgânica é necessário que ela seja feita em polos orgânicos. A médio prazo, se ficar apenas neste passo os desiquilíbrios continuam e os custos passam a aumentar. Inviabilizando o sistema, por isso é fundamental avançar no processo da agricultura orgânica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. C DE.; et al. Influências dos diferentes sistemas de manejo no comportamento da microbiota do solo em áreas sob cultivo de mamão na região de Cruz das Almas, BA. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 8, n. 1, p. 67-75, 2015.

AMARAL, D. T; FERRANTE, V. L. S. B. Assentamentos rurais e desenvolvimento local: produção comercial de cana em parcerias com a agroindústria. Raízes. Campina Grande, v. 26, n. 1 e 2, p 101-112, jan./ dez. 2007.

ARAÚJO, E. A. DE.; et al. Qualidade do solo: conceitos, indicadores e avaliação. Applied Research & Agrotechnology, v. 5, n. 1, p. 187-206, 2012.

ARAÚJO, R.; et al. Qualidade de um solo sob diferentes usos e sob cerrado nativo. Revista Brasileira de Ciência do solo, v. 31, n. 5, 2007.

ASSISTAT: Statistical Assistance (Versão 7.5 beta, 2010). Disponível em: . Acesso em: 03 de Março de 2016.

ESPÍNDOLA, J. A. A; GUERRA, J G. M; DE ALMEIDA, D. L. Adubação verde: Estratégia para uma agricultura sustentável. Embrapa Agrobiologia-Documentos (INFOTECA-E), 1997.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 2. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2005. 653 p.

IAC – Instituto Agronômico. Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solo e Recursos Ambientais. Disponível em: . Acesso em 30 nov. 2017.

IMCAPER – Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Rural. Disponível em: . Acesso em: 01 jan. 2018.

KAMIYAMA, A., et al. Percepção ambiental dos produtores e qualidade do solo em propriedades orgânicas e convencionais. Bragantia, v. 70, n. 1, 2011.

MAIA, J. L. T.; RIBEIRO, M. R. Cultivo contínuo da cana-de-açúcar e modificações químicas de um Argissolo Amarelo fragipânico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 39, n. 11, p. 1127-1132, 2004.

MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Lei n° 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Disponível em: http://extranet.agricultura.gov.br/sislegis-consulta/consultarLegislacao.do. Acesso em: 18 març 2017.

MELLO, F. A. F.; et al. Fertilidade do solo. São Paulo. Nobel., 1983. 400p.

MINGOTI, S. A. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada. Belo Horizonte. Editora UFMG, 2005.295p.

MOREIRA, F. M. S; SIQUEIRA, J. O. Microbiologia e bioquímica do solo. 2.ed. atual. ampl. Lavras: UFLA. 625p, 2006.

PARKIN, T. B.; DORAN, J. W.; FRANCO, V. Field and laboratory tests of soil respiration. In: DORAN, J.W. e JONES, A., eds. Methods for assessing soil quality. Madison, Soil Science Society of America, 1996. p.231-245.

PRIMAVESI, A. Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões tropicais. São Paulo: Nobel, 2002, 549p.

SANTOS A. T. DE.; et al. Biomassa e atividade microbiana de solo sob vegetação nativa e diferentes sistemas de manejos. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 33, n. 2, p. 341-347, 2011.

SEAG – Secretária do Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca. Disponível em: . Acesso em: 01 jan. 2018.

SILVA, A. M. R. C; LOPES, M. M; TEIXEIRA, D. Análise ambiental do assentamento bela vista do Chibarro (Araraquara-SP): legislação incidente, uso e ocupação do solo e percepção ambiental. 2011. Dissertação de Mestrado. Universidade de Araraquara – UNIARA. Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente.

SOBRAL, F. L.; et al. Guia prático para interpretação de resultados de análises de solos. Aracaju. Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2015.

VALARINI, P. J.; OLIVEIRA F. R. A.; SCHILICKMANN S. F. Qualidade do solo em sistemas de produção de hortaliças orgânico e convencional. Horticultura Brasileira. POPPI RJ. 29: 485-491, 2011.

VANCE, E. D.; BROOKES, P. C.; JENKINSON, D. S. An extraction method for measuring soil microbial biomass C. Soil Biology and Biochemistry, v.19, n.6, p.703-707, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.