Hábitos alimentares: desvendando padrões e escolhas sociais

Daiane Roncato Cardozo, Vera Lúcia Silveira Botta Ferrante, Luiz Manoel de Moraes Camargo Almeida, Augusto Paschoalino

Resumo


Este trabalho teve como objetivo refletir acerca dos determinantes de hábitos, práticas e padrões alimentares e como estes influenciam nas escolhas, preferências e na segurança ou insegurança alimentar e nutricional de um indivíduo, de uma população ou de um território, por meio de uma revisão de literatura. No campo que se abre na interface da Nutrição, Biologia, Sociologia e Antropologia, os progressos da ciência passam pelos macro e microscópio da alimentação (alimento/comida, natureza/cultura, biológica/social), considerando as diferentes dimensões que definem padrões alimentares. Não basta olhar apenas para a quantidade ou o tipo de alimento que é ingerido; transformações demográficas, epidemiológicas e nutricionais, costumes, origens, preferências, condições de vida, gostos, ideais e politização do consumo, dentre outros aspectos, vão muito além de medidas ou da ingestão adequada de alimentos. Observou-se também a amplitude das diferentes abordagens sobre a comida, os novos comedores, os sistemas agroalimentares, as formas de ação política, os novos movimentos sociais e os estudos da cultura contemporânea. Muitos temas se entrelaçam, outros se multiplicam, e todos merecem ser considerados e aprofundados.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, E. O Ativismo Alimentar na perspectiva do Locavorismo. Revista Ambientes e Sociedade, v.18, pp.81 98, 2015.

_______. Vegetarianismo. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, v.8, pp.275 – 288, 2013.

BELIK, W.; SILIPRANDI, E. Hábitos Alimentares, Segurança e Soberania Alimentar. In: VILARTA, R.; Gustavo L. GUTIERREZ, G. L.; MONTERIO, M. I. (Orgs.). Qualidade de Vida: Evolução dos Conceitos e Práticas no Século XXI. Campinas: IPES, 2010, v. 1, p. 187-196.

BRASIL. Lei 11.346, de 11 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2006.

______. Decreto Nº 6.323, de 27 de dezembro de 2007. Dispõe sobre a agricultura orgânicas e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p.2, 28 dez, 2007.

CARDDOZO, D. R. Renda, consumo alimentar e estado nutricional como indicadores complementares à insegurança alimentar e nutricional no Programa Bolsa Família. [Tese de Doutorado]. Araraquara, SP: Universidade Estadual Paulista, 2016.

CARDOZO, D. R. et al. Identificação de padrões alimentares de famílias do Programa Bolsa Família e fatores associados à Segurança Alimentar e Nutricional. In: XVII Safety, Health and Environment World Congress, Vila Real, Portugal, 2017. Anais…SHEWC 2017, Vila Real, Portugal.

CARVALHO, M.C.; LUZ, M. T. Simbolismo sobre“natural” na alimentação. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 1, pp. 147-154, 2011.

CASTRO JUNIOR, P. C. P. Identificação dos padrões de consumo alimentar associados à doenças cardiovasculares e/ou obesidade no Brasil: uma revisão sistemática. [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro, RJ: Fundação Oswaldo Cruz, 2013.

CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. Documento base para a III Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília, DF: 2007.

CONTRERAS, J.; GRACIA, M. Alimentação, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2011. 496 p.

DÓRIA, C. A. O que é a gastronomia hoje. Dossiê Gastronomia é Cultura? Formação, Identidade e História da Alimentação. Revista Cult. São Paulo, n. 198, p. 19-23. 2015.

DUVAL, H. C.; VALENCIO, N. F. L. S.; FERRANTE, V. L. S. B. Da terra ao prato: a importância da memória nas estratégias de segurança alimentar de famílias assentadas. Retratos de Assentamentos, v. 12, n.1, 2009.

MENACHE, R.; ALVAREZ, M.; COLLAÇO, J. Dimensões socioculturais da alimentação: diálogos latino-americanos. Porto Alegre, RS: UFRGS, 2012. 264 p.

OLIVEIRA, D.C. Comida, carisma e prazer: um estudo sobre a constituição do Slow Food no Brasil. 2014. 210 fls. Tese (doutorado) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, 2014.

PASE, H. L.; MELO, C. C. Políticas públicas de transferência de renda na América Latina. Revista de Administração Pública, v. 51, n. 2, p.312-329, 2017.

PORTILLO, M. F. F. Consumo político e ativismo alimentar. Notas de palestra. In: 6º Simpósio em Segurança Alimentar: desvendando mitos, Centro de eventos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Gramado-RS, 2018.

______. Consumo e cultura: Agenda política da cozinha. Entrevista realizada pelo Instituto Humanitas Unisintos – IHU Revista Online. 2008.

POULAIN, J-P. Anthroposociologie de la cuisine et des maniéres de table [thése]. De Sociologie sous Direction de Edgar Morin. Université de Paris VII, Université de Lille, 1985.

POULAIN, J-P.; PROENÇA, R. P. C. O espaço social alimentar: um instrumento para o estudo dos modelos alimentares. Rev. Nutr., Campinas, v. 16, n. 3, p.245-256, 2003.

POULAIN, J-P. Sociologias da Alimentação. Florianópolis: UFSC, 2004.

RINALDI, A. E. M.; CONDE, W. L. Transição Nutricional. In: SILVA, C. O. et al. Segurança Alimentar e Nutricional. Rio de Janeiro: Rubio, 2016.

SILVA, C. O. et al. (Orgs.) Segurança Alimentar e Nutricional. Rio de Janeiro: Rubio, 2016. 264 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.