Relação entre professores de matemática e o material didático de uma rede municipal de ensino – em busca de elementos necessários para um programa de formação

Cleicimara Regina Módolo Pico, Rebeca Vilas Boas Cardoso de Oliveira

Resumo


A presente investigação busca compreender como os professores de Matemática se apropriam e usam o material didático distribuído a professores e alunos da rede municipal de Boituva, a partir da questão de pesquisa: “Quais significados e valores os professores atribuem ao material didático, apostilas e cadernos de apoio particularmente, licitado pela Secretaria de Educação do município?”. Este trabalho perpassa a questão dos sistemas de ensino licitados e as possíveis aproximações entre livro didático e apostila, caracterizando o processo de identificação do uso do material didático como fonte organizadora do currículo. A relação que o professor estabelece com o material didático tem estreita relação com sua formação, e, desse modo, essa pesquisa busca parâmetros para compreender elementos importantes para ações de formação de professores, numa perspectiva crítica e reflexiva, de forma a contribuir para que o professor supere práticas de “seguir” mecanicamente as lições tal qual as apostilas - parte do material - as apresentam, repensando o conteúdo a ser ensinado e, portanto, o conteúdo praticado.


Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, T. et al. (coord.). Estratégias municipais para a oferta da educação básica: uma análise das parcerias público-privado no estado de São Paulo. 2009a. 366p. Relatório de Pesquisa – Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro.

APPLE, Michael W. Educação e poder. Trad. de Maria Cristina Monteiro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BEZERRA, E. P. Parceria público-privada nos municípios paulistas de Brotas e Pirassununga: estratégias para a oferta do ensino? 2008. 205p. Dissertação de mestrado – Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Rio Claro.

CÂMARA, Naiá Sadi . Análise comparativa entre o livro didático e a apostila. In. Simpósio Internacional de Ensino de Língua Portuguesa da UFU, 4.,2012, Uberlândia. Anais do SIELPÁG. Volume 2, Número 1. Uberlândia: EDUFU, 2012. Disponível em: < http://www.ileel.ufu.br/anaisdosielp/wp-content /uploads/2014/07 /volume_2 _artigo _239.pdf>. Acesso em 17 abr. 2017

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GIMENO SACRISTÁN, J. O currículo modelado pelos professores.in: GIMENO SACRISTÁN, J . O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre, RS: Artmed, 2000. p. 101-106 e p. 201- 207.

GODOY, Arilda Schmidt. Introdução à Pesquisa Qualitativa e suas Possibilidades. Revista de Administração de Empresas São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63 Mar./Abr. 1995

LAJOLO, M. P. Livro didático: um (quase) manual didático. Em aberto. Brasília, p. 3-7 (1996). Disponível em: . Acesso em: 03/05/16

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

PACHECO, José. Currículo: teoria e práxis. Porto, Porto Editora, 1996.

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: Pimenta, S. G.; Ghedin, E. (orgs.) Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, p. 17-52 (2002).

ROLDÃO, M. C. Os professores e a gestão do currículo. Porto: Porto Editora, 1999.

ROMÃO, Cesar. Abordagens Qualitativas de Pesquisa. Disponível em: Acesso em: 05 de set. 2016.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SILVA, E. T. da. Livros didáticos: do ritual de passagem a ultrapassagem. Em aberto. Brasília, p. 8-11 (1996). Disponível em: . Acesso em: 09/05/2016

SOARES M. B. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na Cibercultura. Educação e Sociedade: dez. 2002, v. 23. n. 81, p. 141-160.

XAVIER, R. P.; URIO, E. D. W. O professor e o livro didático: Que relação é essa?. Campinas, v. 45, n. 1, p. 29-54 (2006).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.